Era tarde, era chuva e eram muitas emoções juntas.

Quando você tem a oportunidade de mudar e não consegue, o que fazer?

Um pássaro ao ser libertado se sente livre, claro, entretanto deve se sentir perdido, sem rumo…

As emoções e sensações passam a tomar conta, dominam mente, corpo, olhos, boca, mãos… E de repente ele vira escravo dele mesmo, perde as rédeas das asas do desejo e do que chama de sensato, esquece quem é ele e apenas vive, voa. Deixa a vida o conduzir seja lá pra onde ela o esteja guiando com mãos quentes e carinhosas. Esquece sua espécie, de onde veio, não percebe o tempo, não percebe as horas, dor, frio ou fome… O mundo para e faz com que só exista aquele momento, faz com que tudo pareça perfeito, mesmo que seja por poucas horas e só ali naquele momento específico.

 É péssimo não sentir nada além das boas lembranças porque a culpa por estar inebriado e imerso nesse universo paralelo e inexistente aumenta dia após dia e todas as vezes que sua lembrança vier te trair você vai lembrar que deveria sentir qualquer outra coisa que não seja a vontade de reviver tudo tal qual como foi. Não é repetir, é reviver – É importante dizer isso em voz alta, assim você passa a crer em suas palavras e elas se tornam (suas) verdades absolutas.

Ahhh eu quero sair pro mundo de novo. Sentir o sol na cara, a chuva molhando os cabelos, quem sabe o vento pra secar a chuva… sem amarras, sendo quem eu realmente sou: desconexa e paradoxal.